Quanto tempo você precisa ficar na natureza para melhorar sua saúde?




Muitos estudos científicos têm abordado os benefícios para a saúde resultantes do contato e ou de conexão com a natureza. Dentre os benefícios que abordamos em um artigo se destacam, principalmente, os relacionados à promoção de saúde mental. Destaco as palavras contato e conexão, porque são formas diferentes de nos relacionarmos com a natureza.


O contato pressupõe você estar na natureza por algum motivo que nem precisa estar ligado diretamente a ela, por exemplo, quando você vai a um parque para fazer alguma atividade física – é um estar na natureza.

Já a conexão, pressupõe uma relação mais profunda com a natureza. Você vai para a natureza para estar com ela, ou seja, a natureza é a principal razão para que você passe um tempo em sua companhia.


Bom, mas de quanto tempo estamos falando, quando buscamos os benefícios que a literatura sobre este tema?

Pesquisadores da Universidade de Exeter, conduziram uma pesquisa com quase vinte mil pessoas que visitam parques na Inglaterra e chegaram à conclusão que a permanência de 120-179 minutos de contato com a natureza por semana (em relação a quem não teve nada de contato) é o tempo necessário para observar melhores resultados.


Os pesquisadores perguntaram para as pessoas, quantos minutos, em média, elas tinham passado em ambientes naturais nos últimos sete dias e avaliaram o impacto desse tempo na natureza sobre como eles percebiam sua saúde e seu bem-estar. Concluíram que os indivíduos que passaram entre 1 e 119 minutos na natureza na última semana não eram mais propensos a relatar boa saúde ou elevado bem-estar do que aqueles que relataram 0 minutos, ou seja, tempo algum. No entanto, os indivíduos que relataram passar tempo igual ou superior a 120 minutos na natureza na semana anterior à pesquisa, tiveram níveis consistentemente mais altos de saúde e bem-estar do que aqueles que relataram não terem estado em ambientes naturais.


Segundo esses pesquisadores, um tempo inferior aos 120 minutos, portanto, parecem ser insuficientes para produzir benefícios significativos para a saúde e bem-estar, mas por outro lado, um tempo de exposição à natureza superior a 300 minutos também não demonstrou benefícios adicionais.

Este estudo tem algumas limitações, pois não se sabe exatamente se esse tempo de exposição está ligado à prática de exercícios físicos na natureza, que é a principal razão pela qual os ingleses visitam os parques, nos quais a pesquisa foi conduzida. Esse comportamento fala mais a favor do contato com a natureza do que a conexão, que poderia apresentar outros resultados. Esse tempo também pode estar mais atrelado ao hábito das pessoas que frequentam os parques e outros estudos ainda precisam ser desenvolvidos.


Em virtude disso, não se trata de uma recomendação específica, mas de apenas de um parâmetro que pode ser utilizado até que novas evidências surjam sobre essa questão. Até isso acontecer, esses 120 minutos parecem alterar a percepção das pessoas sobre sua própria saúde e bem-estar, sendo que eles não precisam ser desfrutados junto à natureza de uma única vez na semana. Esse tempo também pode ser fracionado nos dias da semana de acordo com a preferência individual.


É claro que discutir um artigo é trazer um ponto de vista e por isso é importante lembrar que isso não esgota o assunto e que existem outras maneiras de olhar e explicar fenômenos para os quais a ciência ainda não tem todas as respostas.


O efeito da experiência estética junto a um cenário bonito acontece em poucos minutos, com consequente alterações cerebrais importantes que desencadeiam na produção de neurotransmissores que geram bem-estar. Alguns pesquisadores falam que talvez o mais importante não seja o tempo, mas a qualidade do momento com a natureza. Outras teorias também abordam mecanismos que indicam que existe recuperação imediata de fadiga mental quando da exposição de caráter mais contemplativo à natureza. Novamente, isso parece reforçar a ideia de que estar com e não simplesmente na natureza pode ter papel fundamental em nossa experiência e nos nossos níveis de bem-estar.


Ah! A foto foi feita há alguns dias nesse meu tempo de natureza indoor. As flores e folhas do quintal mostram o tempo das coisas, testemunham a nos lembrar que tudo tem seu tempo, mas que sua beleza e delicadeza podem permanecer por muito mais tempo na mente e no olhar.


Lis Leão

Primavera/2020


Referência:


White, M.P., Alcock, I., Grellier, J. et al. Spending at least 120 minutes a week in nature is associated with good health and wellbeing. Sci Rep, 7730 (2019). https://doi.org/10.1038/s41598-019-44097-3

Arquivo
Procurar por tags
Nenhum tag.
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square